Escolha uma Página

1. EXU AGRADECER

 

2. SAMBA PRA OGUM

Artur Senna, Dinho Braga, Nego Bom e Vinícius de Oliveira

 

Eu sou filho de São Jorge

E não temo mal algum

A rainha Iemanjá

Canta em preces pra Ogum

Ogum iê, Ogum

Osin imolé Ogum

Meu filho, tu és grande e iluminado

Ouça meu lamento marejado

Que as ondas levam a você

Lhe peço que proteja esse mundo

Tão pequeno e tão confuso

Mas em ti confia e crê

Eu sou filho de São Jorge

E não temo mal algum

A rainha Iemanjá

Canta em preces pra Ogum

Ogum iê, Ogum

Osin imolé Ogum

Da lua ouço a prece em tom de samba

Tua voz me guia e manda

Vencerei essa demanda

Estou pronto pra lutar

Janaína ê

Princesa de Aiocá

Nego bate a mão no coro

Toca um ponto de Egbá

Te saudando Odoyá

 

3. CURIMBEIRO

Dora Barreto

 

Ô curimbeiro

Segura a curimba de lá

Pisa na pemba menino

Que o santo vai te pegar

Curimbeiro chegou na roça

Foi preparado pra tocar

Menino entrou na roda

Foi pedindo pra dançar

Se não tem medo de santo

Pode entrar, pode chegar

Menino pisa na pemba

Que o santo vai te pegar

Esse som veio de longe

Da senzala pro altar

Seu Ogan foi preparado

Foi nas Águas de Oxalá

Toca Angola, toca Ketu

Toca Jêje e Nagô

Sua mão foi preparada

Pra tocar esse tambor

 

4. ENCANTOS NA AREIA

Vinícius de Oliveira e Artur Senna

 

Morena serenou

Na beira da praia

Sua saia de rendas

Embala o mar

Das águas

Que encanta na areia

Sob a luz da lua cheia

Só quer dançar

Cura os desenganos

Infinitas amarguras

Não finda o amor

Que tem pra dar

Desagua a dor

Onda sem rancor

Jóia que reflete

Sua pele

Odoyá!

Na praia, ô

A praia

Balança pelo som do seu cantar

Na praia, ô

A praia

Abraça sua mãe Iemanjá

 

5. LICURI E O DENDÊ

Khalil Santarém e Vinícius de Oliveira

 

Bate palma sinhá

Firma o ponto pra ver

Caldeirão ferver sem fundo

Licuri quebrar dendê

Trago o meu corpo fechado

Conheço reza e oração

Só não sei fazer feitiço

Contra a sua ingratidão

O verde da minha conta

Me guia desde menino

Quem me guarda é Ventania

E Santo Antônio Pequenino

No encanto das sete matas

Na pedreira da ilusão

Avistei linda cabocla

Feiticeira da paixão

Flecha pronta aprumada

Não pegou nego mandingo

Quem me guarda é Ventania

E Santo Antônio Pequenino
6. TIA BAIANA

Wilson Moreira

Part. Especial: Wilson Moreira

 

Olha a saia dela, moça

Vê como ela roda

É a baiana mostrando a moda

Sua exuberância é uma coisa louca, êta!

Salve a Tia Baiana!

Vem trazendo no samba

As suas origens

Contemporânea de antigos bambas

Verdadeiros bambambans

Esta senhora tem magia no olhar

Nos penduricalhos do colar

Tantos balangandãns

Dança senhora Baiana

Sacode a saia,

Joga as mirongas no Terreiro

Ê coqueiro, êta coqueiro!

Balança, derruba coco no terreiro

E vamos ver quem vai pegar

Como cai coco no coqueiro
7. RAINHA DO MAR/SABIÁ CANTOU/SAMBAS DE RODA DA BAHIA

Vinícius de Oliveira/Vinícius de Oliveira/Domínio Público

 

Olha quem vem de lá

Quem vem

Na beira do mar

Filha de Olodumare

É a rainha Iemanjá

Relampeou

Reluz a aurora

É Odoyá, ô

Salve a Nossa Senhora

Quem é dona do mar

É Nossa Senhora

É Odoyá

É nossa senhora

Da Nação Egbá

É Nossa Senhora

Mãe dos Orixás

É Nossa Senhora
SABIÁ CANTOU

Vinícius de Oliveira
Sabiá cantou

Sabiá cantou

O vento que sopra na rosa dos ventos

Sabiá cantou

Chiou o bambuzal apontando o caminho

Salve meu pai Benedito

Salve São Sebastião

Que nos guia nessa estrada e na noite enluarada

Olho vivo, passo firme no andar da madrugada

Nesse rumo a onda a leva

As mirongas pro lado de lá

E o fundamento de uma reza

Firmamento é Deus que nos dá

Tem a mata e mar,

Cachoeira a pedreira

Agô saravá!
SAMBAS DE RODA DA BAHIA
8. CLAREIA MINHA MÃE

Dora Barreto e Vinícius de Oliveira

 

Dança cantiga de roda

Clareia que eu quero ver

Clareia que eu quero ver

Clareia bambeia

Bate na palma na mão

Rodeia que eu quero ver

Rodeia que eu quero ver

Rodeia bambeia

Raio no céu surgiu

Foi Iansã que chegou

Clareia minha mãe, clareia

Clareia por onde for

Clareia minha mãe, clareia

Clareia com seu amor

Teu manto nos cobre e nos guia

É força pro dia a dia

Clareia minha mãe, clareia

Tua luz nos ilumina

Clareia minha mãe, clareia

As armadilhas dessa vida

 

9. ZÉ DA CURIMBA

Artur Senna e Vinícius de Oliveira

 

Seu Zé da Curimba

Desceu da Ribeira

Quem for de rodar

Vai girar, vai sambar

Queira ou não queira

Toda Adarrum

Rumpi, Lé e Rum

Lenha na fogueira

Chama na Ramunha, Seu Zé

Chama que clareia

Chama na Ramunha, Seu Zé

Chama que clareia

E na roda partido alto

Com faca e prato é bom versador

Cantando o seu legado

Malandro da vida na rua bambeia mas não cai

Saravá

Motumbá, amém, axé!

Pede a bença pro Seu Zé

Segue a força seu moço

Que o moço é do povo

É a luz dessa fé

 

10. BESOURO MANGANGÁ

Vinícius de Oliveira

Part. Especial: Fabiana Cozza

 

Besouro Mangangá

Herói de um povo guerreiro

Zunzunzum zunzunzum

Capoeira mata um

Besouro cordão de ouro

Que por amor enfrentou o seu senhor

Senhor de que?

Senhor de quem?

Senhor de nada!

Chorava, rezava

Tem poder sua guia

Sua perna parece um facão

Nego avoa que nem avião

Mizifi tem proteção

Mizifi tem proteção

Besouro cordão de ouro

O martelo rodado é fatal

Seu olhar parece um punhal

Queima cana e corta o bambuzal

Da África filho ancestral

 

11. HERÓIS IMORTAIS

Artur Senna, Breno Alves e Vinícius de Oliveira

 

É luta, é guerreiro, é Mandela

É guerreiro, é luta, é Zumbi

Liberdade é direito não se precisa pedir

Liberdade com bravura tivemos que conseguir

Paciência e tristeza na cela

Tornaram-se forma de guerra

Do sangue pisado na terra

Pra negra nação é Mandela

Correr também é resistir

Calar sua verdade é fugir

Na mata poder ir e vir

Garantido à força é Zumbi

Foi chicote batendo na alma

E navio negreiro com fome

Apartheid tentou separar

Liberdade é direito dos “ômi”

É luta, é guerreiro, é Mandela

É guerreiro, é luta, é Zumbi

Liberdade é direito não se precisa pedir

Liberdade com bravura tivemos que conseguir

Herói imortal Brasileiro

Africano da paz um guerreiro

Dois homens com uma missão

Livrar sua nação do cativeiro

Novos mitos da nossa história

Não dá branco em nossa memória

Se os livros não contam verdade

Cantamos em nossa glória

Foi chicote batendo na alma

E navio negreiro com fome

Apartheid tentou separar

Liberdade é direito dos homens

É luta, é guerreiro, é Mandela

É guerreiro, é luta, é Zumbi

Liberdade é direito não se precisa pedir

Liberdade com bravura tivemos que conseguir

 

12. AXÉ DE ARUANDA/TEM TAMBOR PARA TOCAR/BAMBEIA MALUNGO

Kadu Nascimento e Vinícius de Oliveira/Artur Senna, Dinho Braga e Nego Bom/Amílcar Paré, Artur Senna, Khalil Santarém e Vinícius de Oliveira

 

Negro canta seu lamento

Negro canta sua fé

Negro chorou cativeiro

Hoje encanta o seu axé

Axé de Aruanda

Teu povo tá de pé

Liberdade é a conquista

Força de lá que aqui nos guia

Deu meia noite sol raiou

Lá vem o dia

Deu meia noite sol raiou

Lá vem o dia

É candongueiro, caxambu e alegria

É candongueiro, caxambu e alegria

Navio negreiro atracou no porto

Corda amarra o corpo,

Não amarra o meu cantar

Navio negreiro atracou no porto

Corda amarra o couro,

Tem tambor para tocar

Lele lelelelelelelê

Lele lelelelelelelê

Lele lelelelelelelê

Lele lelelelelelelê

Bambeia, malungo bambeia,

Lá na Aruanda quero ver balancear

Bambeia, malungo bambeia,

Lá na Aruanda quero ver balancear

Deu hora grande

Traz a lenha pra fogueira

Tatu cavuca a terra pra jongar

Pé no chão, a bença zirirmão

Lá na Aruanda quero ver balancear

Pé no chão, a bença zirirmão

Lá na Aruanda quero ver balancear

 

13. GUARDIÃO DAS LEIS

Amílcar Paré, Artur Senna, Gleydson Teixeira e Vinícius de Oliveira

Part. Especial: Afoxé Alafin Oyó

 

Xangô, Xangô

Orixá do poder seu Oxê é o divino Machado

Xangô, Xangô

Guardião das leis de Orun, Alafin justiceiro

Cultuado ao som do Alujá

Fez o seu reinado em Oyó

Yaô se firmou ao poder de Xangô

Pedras e raios vão cair sobre o mal

O mal da injustiça desfeito ao clarão do trovão

Rolou vento, cachoeira,

Na pedreira ele reinou. Ele reina!

Kaô, Kaô, Kaô

Kaô Kabecilé, Kaô

 

14. TODOS OS PRAZERES

Artur Senna e Gabriel Gomes

 

Quem cair nessa gira

Traz sua magia

Bate palma sinhá

Vem! Foi Dona Maria

E o Povo da Rua

Mandou te buscar

Tem tambor de Angola

Tem samba de roda

Tem coco, ijexá

Vai cigarro de palha

Cachimbo, cachaça

O chapéu vai passar
Um balaio de gente sempre a se chegar

Tanta gente de todo lugar

Todos os prazeres tem pra se provar

Kolofé, Mukuiu, Motumbá

Vou! Já deu minha hora

Também vou-me embora

Com o povo de lá

Vá na luz da Padilha

Seus filhos e filhas

Ela vai saravar

 

15. SALVE DONA MARIA

Dora Barreto

 

Agradecemos essa luz, essa magia

Essa luz, divina guia

E o carinho de vocês

Muito obrigado, essa luz divina guia

Se despedem de vocês os Filhos de Dona Maria